Relato de parto de Marina Maria - nascimento de Maria Clara

Troca de médico as 41 semanas de gestação para escapar de uma “desne-cesárea” e o relato de um parto vaginal hospitalar sem complicações, mas recheado de intervenções inesperadas

 

A minha última semana de gravidez não foi nada tranqüila. Com 40 semanas e 3 dias, meu médico quis marcar a cesárea. Não aceitei os argumentos dele (o bebê ia apodrecer na barriga ou havia algum cordão invisível enrolado no pescoço) e decidi que ele não ia atender meu parto. Com meu barrigão de 40 semanas e 6 dias fui na nova obstetra. Ela concordou em esperar.

 

Naquele dia mesmo, voltei pra casa, bem mais aliviada. À noite, comecei a sentir contrações. Às 22h eu tomei um banho quente bem gostoso e demorado. Levei uma cadeira para o banheiro, me sentei, e comecei a jogar água quentinha pelo corpo, falando com a bebê, me despedindo da barriga. Foi um momento muito especial. As dores abrandaram bastante nesse tempo. Quando eu saí do banheiro, as dores estavam bem regulares... Vinham a cada 10 minutos mais ou menos. Fiquei na internet, mandei e-mails pras listas de discussão falando que estava em TP, de vez em quando andava pela casa inteira, inquieta. Às duas horas, falei com um amigo no MSN e ele se propôs a vir me apanhar de carro. Ponderei que não era boa idéia ficar esperando mais em casa e ir morrendo de dor chamar um táxi para me pegar. Era melhor ir logo, com meu amigo e relaxar no hospital. Péssima idéia. Saí de casa com contrações a cada 5 minutos. Cheguei na maternidade com 4 cm de dilatação.

 

Fui pro quarto e fiquei deitada, não veio ninguém me orientar. Para piorar, Fábio, o pai, morava longe e ônibus só de manhã. Tudo isso junto culminou que às 8h, quando minha obstetra finalmente chegou para me ver (antes ela só havia ligado), eu estava com os mesmos 4 cm! Nessa hora, confesso que desanimei. Ela receitou o soro com ocitocina, e me disse que, se não evoluísse, ia ter que me operar. Ainda receitou a lavagem intestinal.

 

Meu astral foi parar no pé. Eu nunca tomei soro, de repente eu estava lá, deitada, com aquilo no braço e sentindo dores horrendas (porque indução dói muito, vocês sabem, né?). Foi na hora que Fábio chegou. Xinguei todo mundo, com atenção especial a todas que me disseram que a dor era suportável... Logo depois chegou minha tia Sônia, que é enfermeira e me ajudou bastante. Ela me convenceu a levantar e agachar e fazer força quando a dor viesse (hoje eu sei que não é legal fazer força antes do expulsivo!). Nos intervalos eu sentia um sono absurdo, mas ela não me deixava deitar. Fazia massagens na hora da dor e a coisa evoluíu assim. Chegaram a me oferecer anestesia, mas eu não tinha direito pelo plano. Doeu muito, mas não morri, enfim.

 

3 horas depois que me colocaram no soro, eu estava com dilatação total.

 

Eram quase 11 horas da manhã do dia em que eu completava 41 semanas de gestação quando me prepararam para a sala de parto. Na hora em que a minha GO rompeu minha bolsa (isso doeu muito), me deu o último toque, mexeu de um jeito e eu senti o bebê descer (Por isso que eu acho que a Clara encaixou só na hora). A partir desse momento surgiu força não sei de onde... A dor praticamente desapareceu, eu sentia uma imensa vontade de empurrar, eu não conseguia não empurrar! É como uma injeção de adrenalina! Fui feliz pra sala de parto, eu sabia que estava próximo do fim.

 

Eu só podia escolher uma pessoa para entrar comigo. Preferi a minha tia, que estava me servindo de doula e poderia ser útil. Cheguei na mesa de parto, mandaram eu colocar os pés na perneira (parto deitado), botaram paninho pra eu não ver. Fiquei chateada com isso, eu queria ver. Mas Claro que tinha que cobrir, ou eu veria a episiotomia (corte do períneo), né? A Doutora fez a episio sem nem me avisar. Lembro que perguntei o que ela estava fazendo. Minha tia me respondeu com uma frase idiota. Depois que ela terminou o trabalho sujo, começou o terrorismo: "Olhe, você tem que cooperar, a bebê não pode ficar muito tempo nesse lugar!" Eu não entendia o motivo disso, eu tinha certeza de que não demoraria mais. A cada contração eu sentia mais vontade de empurrar! Chegou a hora, disseram que eu empurrasse na próxima contração: empurrei. Não foi dessa vez. Próxima contração. “Empurraaaaaa!” Eu empurrava... Falaram: “tá nascendo, não pare de empurrar!” E eu pensei: Não pode estar nascendo, não estou sentindo nada! Mas ela estava! Eu empurrei mais um pouquinho e... ela nasceu!!!! Eram 11h12 do dia 22 de agosto de 2003.

 

A sensação é maravilhosa, não doeu nada, foi um prazer indescritível! Eu senti um alívio imenso, a doutora cortou o cordão e jogou a Clarinha no meu colo! Após os exames, trouxeram a Clara novamente, tentei amamentar, mas ela não quis e eu comecei a sentir a doutora costurando a episio. Clara foi levada embora e eu fiquei esperando a maca. O resto foi tranqüilo, em pouco tempo Clara foi levada para o quarto e aprendemos juntar a arte da amamentação.

 

Sinceramente fiquei traumatizada com muitas coisas que aconteceram no meu parto, mas sei que pior do que uma cesárea não foi. Enfim, foi o parto que eu consegui ter e precisei lutar muito pra isso. Foi um processo de amadurecimento que me tornou capaz de fazer melhores escolhas da próxima vez.

 

 

Marina Maria

Recife/PE

© 2015 | Rede Parto do Princípio

  • b-facebook
  • Twitter Round
  • Instagram Black Round